Descrição Geral do Projeto

Do ponto de vista da conjuntura social e económica do contexto envolvente, o projeto de formação afirma-se como uma via que permitirá a aquisição de competências profissionais e, por conseguinte, será uma forma de renovação e reestruturação dos projetos de vida pessoais e profissionais de pessoas ativas empregadas e desempregadas, tendo em consideração que se tratam de áreas com necessidades formativas a nível regional e com perspetiva de saída no mercado de emprego, perante a posse da qualificação adequada.

O projeto em causa reveste-se de elevada relevância/pertinência, quer do ponto de vista das necessidades de qualificação da população local/regional, quer do ponto de vista das necessidades de qualificação do tecido empresarial/social dos concelhos de abrangência. Neste contexto, consideram-se várias variáveis: baixa qualificação da população; empresas com mão-de-obra pouco qualificada; abandono escolar precoce; insuficiência dos organismos existentes para responder às necessidades de orientação dos adultos e apoio na escolha de um projeto vocacional/profissional; elevada percentagem de NEETs (jovens que não estão a estudar/trabalhar/em formação); taxas de desemprego em crescimento derivado da situação da pandemia e insuficiência/inexistência de respostas adequadas ao perfil das necessidades de qualificação dos adultos.

Uma boa adaptação ao mercado de trabalho atual implica que o indivíduo tenha competências que lhe permitam adaptar a várias atividades/funções, sendo capaz de passar por várias ocupações ao longo da vida. Desta forma, a formação e a qualificação podem beneficiar a empregabilidade dos indivíduos. Por isso, este projeto pretende responder de uma forma integral, de modo a que a formação não seja dada de uma forma avulsa, mas que corresponda a um projeto palpável, delineado e consentido pelo adulto, que começará com a sua inscrição, passará pelo diagnóstico, orientação, delineação do Plano de Encaminhamento Individual, concretização do Passaporte Qualifica, e caso seja necessário, a delineação do Canvas Pessoal, sendo posteriormente sujeito à formação, para a atualização, reciclagem ou reconversão das suas competências, para depois ser acompanhado e apoiado pelos mediadores, em alinhamento com o seu projeto, podendo o mesmo ser revisto, ajustado e adaptado em benefício da qualidade do emprego, da sua gestão de carreira.

Por outro lado, o projeto de formação integra fatores inovadores na sua metodologia, objetivos e procura de saídas profissionais que pretendem fomentar a iniciativa individual para a criação de novas micro e pequenas empresas portadoras de inovação, seja pela via da introdução de novos processos tecnológicos para produtos existentes, do lançamento de novos produtos ou novas variedades de produtos existentes, ou ainda pela introdução de novas formas de organização empresarial, designadamente as potenciadoras do empreendedorismo ou novos métodos de comercialização e marketing.


Grupo-alvo
  • Empregados/as com especial enfoque nos ativos/as empregados/as em risco de perda de emprego
  • Desempregados/as, detentores/as de habilitações iguais ou superiores ao 12ºano, que se encontram mais próximo do reingresso no mercado de trabalho, entendendo‐se como tal, os desempregados há menos de 12 meses.
  • Candidatos ao 1.º emprego com habilitações iguais ou superiores ao ensino secundário

Objetivos
  • Potenciar a empregabilidade da população ativa, designadamente dos desempregados e dos empregados, incluindo os que se encontram em risco de desemprego, através do aumento da sua adaptabilidade por via do desenvolvimento das competências requeridas pelo mercado de trabalho;
  • Responder a necessidades de qualificação dos ativos empregados, em contextos de mudança organizacional e processos de restruturação, com vista a aumentar as competências e os níveis de qualificação dos mesmos, contribuindo para a manutenção do seu nível de emprego;
  • Reforçar a qualificação profissional dos ativos desempregados, potenciando um regresso mais sustentado ao mercado de trabalho, através da participação em percursos de formação modular ajustados ao seu perfil e necessidades.

Atividades

Desenvolvimento de ações de formação modular certificadas, estruturadas sob a forma de Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD), realizadas de acordo com os referenciais previstos no Catálogo Nacional de Qualificações (CNQ) disponível em www.catalogo.anqep.gov.pt. As ações de formação certificadas podem ser realizadas na modalidade de formação presencial ou, na modalidade de formação a distância (e-learning).

Áreas de Formação:

  • 213 – Audiovisuais e Produção dos Media
  • 341 – Comércio
  • 344 – Contabilidade e Fiscalidade
  • 347 – Enquadramento na Organização/Empresa
  • 481 – Ciências Informáticas
  • 521 – Metalurgia e Metalomecânica
  • 522 – Eletricidade e Energia
  • 523 – Eletrónica e Automação
  • 525 – Construção e Reparação de Veículos a Motor
  • 541 – Indústrias Alimentares
  • 542 – Indústrias do Têxtil, Vestuário, Calçado e Couro
  • 582 – Construção Civil e Engenharia Civil
  • 622 – Floricultura e Jardinagem
  • 729 – Saúde – Programas não Classificados Noutra Área de Formação
  • 761 – Serviços de Apoio a Crianças e Jovens
  • 762 – Trabalho Social e Orientação
  • 811 – Hotelaria e Restauração
  • 812 – Turismo e Lazer
  • 815 – Cuidados de Beleza
  • 861 – Proteção de Pessoas e Bens
  • 862 – Segurança e Higiene no Trabalho

No que toca ao desenvolvimento de competências ligadas à sociedade da informação, a entidade realça que para o desenvolvimento das temáticas formativas, apelará à utilização de equipamentos, software de produtividade e software específico, nomeadamente programas/manuais interativos, para facilitar o processo ensino-aprendizagem. Por outro lado, utilizar-se-á uma ferramenta instrumental – Plataforma Moodle – como eixo de comunicação/organização interna – Intranet das Ações – e como ferramenta de e-learning; potenciando desta forma a autoaprendizagem e a aprendizagem colaborativa.

A metodologia implícita aponta para o desenvolvimento de competências, para a inovação e empreendedorismo, para combater a literacia digital, leitura e matemática, através da aposta na formação em TIC e nas áreas de competência-chave. A Epralima coloca à disposição dos adultos salas de informática onde podem utilizar um conjunto de ferramentas e exercitar a autoformação; apostando nos domínios da inovação e sociedade da informação.

A dinamização de parcerias com centros de formação, empresas e outras entidades, para a prossecução de comunidades de partilha e mobilidade, fomentando a inovação, intercâmbio de experiências, transferibilidade e reflexividade de competências; nomeadamente com estratégias ativas e significativas para a comunidade, como exposições, feiras e workshops.


Recursos Humanos afeto ao projeto

Coordenador: Carla Barros, carlabarrospralima.pt


Parceria
  • Centro Qualifica CheckList – Global Management Solutions, Lda
  • Centro Qualifica Associação Empresarial de Ponte de Lima
  • Centro Qualifica ADEMINHO
  • Centro Qualifica Escola Secundária de Monserrate
  • Centro Qualifica Coopetape

Valor aprovado

460 358,56€


Mais Informações

Privacy Preference Center